CAPITÃO da Republica perde COMANDO da tropa no “INMETRO”.

Órgão apadrinhado por Carlos da Costa, se posiciona contra o presidente da republica Jair Bolsonaro, mostrando que de fato perdeu de vez o comando do segundo escalão do GOVERNO FEDERAL.

Como se não bastasse a confusão de pedidos  “NÃO REPUBLICANOS” de Carlos da Costa no caso da demissão do presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), que foi publicado da REVISTA VEJA na edição do dia 02/08/19, agora a presidente do INMETRO Ângela Flores, também resolveu mostrar que não partilha das mesmas propostas do ao governo federal, propondo mudanças nas regras e regulamentação dos tacógrafos. 

O Instituto de Nacional de Metrologia  (INMETRO), órgão vinculado ao Ministério da Economia, cujo o comandado e apadrinhamento por Carlos Alexandre da Costa, secretario especial de Produtividade e Competitividade, vem ditando as possíveis mudanças nas regras do transporte de cargas no Brasil.

O mais novo episódio e em relação aos Tacógrafos.

Atualmente a fiscalização é realizada a cada dois anos o que já onera o já combalido trabalhador do setor de transporte de carga e pessoal.

Agora a Presidente do INMETRO se acha no direito acima do PRESIDENTE da REPUBLICA e quer através de portarias diminuir o prazo para um ano, ou seja mais pancada na cabeça da classe que trasporta o Brasil sobre seus ombros.

Cabe aqui uma nota, essa fiscalização está na mão de terceirizadas, que já recebem uma fortuna de dois em dois anos e agora estranhamente passariam a receber mais uma fortuna anualmente, e tudo com a devida benção da PRESIDENTE DO INMETRO E SEUS DIRETORES PETISTAS.

Essa afronta  deixou o presidente Jair Bolsonaro extremamente irritado, equivale a verdadeira INSUBORDINACAO HIERARQUICA.

Para quem não se lembra, essa categoria de transporte de cargas, mostrou sua força quando entraram em greve brigando contra alta dos combustíveis, fazendo o brasil praticamente parar ate que suas reivindicações fossem atendidas pela presidência da republica. Em mais uma possível crise agora gerada pela presidente do INMETRO Ângela Flores e seus diretores esquerdistas, querem dar novo capitulo a uma nova crise com os caminhoneiros, o que deixou o presidente Jair Bolsonaro muito indignado.

O INMETRO vem mostrando sua bandeira VERMELHA ja algum tempo, mais precisamente depois da posse de sua atual Presidente Ângela Flores, onde nomeou nos últimos onze meses, dois diretores PETISTAS, um o Diretor de Avaliação e Conformidade Gustavo Kuster simpatizante do PT, onde divulgou nas redes sociais seu voto aberto ao candidato HADDAD, a presidência da republica, cargo esse de extrema importância dentro da estrutura do INMETRO. Aliás o Diretor Petista é o braço direito da Presidente ÂNGELA FLORES FURTADO. O outro do PC do B substituir o atual Procurador Federal do órgão, por Carlos Alberto Valentin que é irmão do Deputado Federal Edmilson Valentin do PC do B e a assessora de comunicação da presidência do inmetro Patricia Gonzalez de Souza, que também trabalhou no governo da Presidente Dilma do Partido dos Trabalhadores. 

A assessora de comunicação da presidência do inmetro Patricia Gonzalez, que atendeu o Inmetro a partir de 2010 pela empresa CDN COMUNICAÇÃO CORPORATIVA LTDA. Patricia foi sócia da Informe Comunicação Integrada junto com Roberto Davila e João Rodarte, dono da CDN. O contrato tinha o valor global de 30 milhões por ano, com a empresa comunicação corporativa CDN, uma das que mais ganhou dinheiro com o PT. A presidente do Inmetro Angela Flores Furtado, parece não estar entendendo para qual governo trabalha, a presidente Flores, não vê problemas nas nomeações de seus subordinados esquerdistas, aprovadas por Carlos da Costa e enxerga que as mesmas promove avanços a METROLOGIA LEGAL. 

Mas o INMETRO de Flores não surpreende com estas decisões contrarias as do Presidente Jair Bolsonaro e sua equipe de governo, pois insistentemente vem defendendo também mudanças em projetos polêmicos como os das tomadas de três pinos e o fim da exigência do selo do inmetro, o que acabaria com todo trabalho realizado em décadas de estudos, prêmios e de investimentos em pesquisas em metrologia, e que levaram os inúmeros reconhecimentos internacionais do órgão.

O INMETRO desde que foi assumido por Ângela Flores a cerca de onze meses, vem colocando os pés pelas mãos, o que tem levado ao sucateamento do órgão e causando um rombo de milhões nos cofres públicos com a falta de fiscalização e autuações importantes como adulteração de combustível por postos de combustíveis e gás de cozinha adulterados, itens que impactam diretamente no bolso dos brasileiros e principalmente na inflação do pais.

Ocorre que a presidente Ângela Flores tem afinidade e simpatia pelos companheiros do setor de distribuição de Gás de cozinha (GLP), onde  trabalhou e também executiva da Supergasbras entre os anos de 2016 à 2018. Em 2019 foi nomeada como presidente do Inmetro onde foi denunciada para o conselho de ética da Presidencia da Republica por “CONFLITO DE INTERESSES”, o que causa no mínimo estranheza a inércia da presidência da republica quanto a investigação sobre o assunto e todo esse desmonte do INMETRO nacional e estadual, pois a fiscalização do INMETRO atinge diretamente seus antigos “COMPANHEIROS” de trabalho. Isso traria pelo menos um sinal de alerta ao governo federal. Será que ate quando o Capitão ira deixar e também aceitar estas insubordinações de em seu governo?.