Pesquisar
Close this search box.

Celina assina decretos no âmbito do combate à violência contra à mulher

Plano Distrital de Combate à Violência e de Proteção à Mulher e Programa Ressignificar


Plano Distrital de Combate à Violência e de Proteção à Mulher e Programa Ressignificar focam na luta contra o feminicídio na capital

A governadora em exercício Celina Leão assinou, nesta quinta-feira (11), os decretos para instituir o Plano Distrital de Combate à Violência e de Proteção à Mulher e o Programa Ressignificar. Em evento, no Salão Branco do Palácio do Buriti, as autoridades locais reforçaram o compromisso do Governo do Distrito Federal (GDF), no âmbito das secretarias da Mulher e da Segurança Pública, em lutar contra o feminicídio na capital.

As assinaturas ocorreram um dia após o DF registrar o primeiro caso de feminicídio do ano. Na quarta-feira (10), Tainara Kallen Mesquita, 26 anos, foi morta a tiros na frente da sua filha de cinco anos, no Gama. O principal suspeito do crime é o seu ex-marido, Wesley Denny Melo. Apenas em 2023, foram registrados 34 casos de feminicídio na capital, número superior aos 17 casos de 2022.

O Plano Distrital de Combate à Violência e de Proteção à Mulher surge como desdobramento da Força-Tarefa Contra o Feminicídio, com o propósito de fortalecer as políticas públicas direcionadas à prevenção do feminicídio, proteção, acolhimento e eliminação de todas as formas de discriminação e violência contra as mulheres. O Plano também resultou em um relatório que identificou desafios e oportunidades para um enfrentamento mais efetivo do feminicídio no DF.

Para que sejam realizadas ações mais efetivas no combate à violência contra a mulher, o Plano Distrital busca destacar, sensibilizar e conscientizar a sociedade sobre o tema por meio de campanhas educativas permanentes. Além do mais, o Plano foca na prevenção da vitimização e da violência institucional contra as mulheres.

As ações de combate à violência feminina serão executadas em eixos estruturantes, no qual abrangem o desenvolvimento de políticas públicas, capacitação de agentes públicos, fortalecimento da rede de atendimento à mulher, acesso à informação, orientação e discussão do papel da imprensa na abordagem do assunto ao noticiar casos de feminicídio. Neste sentido, serão realizadas palestras, distribuição de materiais, eventos e debates no qual focaram no feminicídio como a maior violação dos direitos humanos das mulheres.

A secretária da Mulher, Giselle Ferreira, falou sobre o papel do Plano Distrital: “A Secretaria da Mulher é responsável pela promoção, prevenção e conscientização para evitarmos a violência contra as mulheres. Nós estabelecemos uma Força-Tarefa e dentro dela [Força-Tarefa] nós sentimos a necessidade de nortear as políticas públicas, por meio de várias secretarias. Mas não somente nortear as políticas públicas de governo, mas também nortear a sociedade civil e a imprensa. Nós precisamos de conscientização, com foco nas áreas mais específicas e identificar os erros”.

Celina completou sobre a união do governo para a elaboração e execução das ações: “No Plano Distrital teremos a integração de todas as secretarias, com metas específicas e uma unificação. O tema das mulheres é um tema transversal, e ainda não existia um plano geral de enfrentamento à violência contra à mulher e agora ele foi assinado. Temos certeza que ele vai ajudar muito nas ações específicas que já ocorrem no governo”.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Programa Ressignificar

Na cerimônia, também foi assinado, por Celina, o decreto que instituiu o Programa Ressignificar, no qual compete que as forças de Segurança Pública e da Administração Penitenciária do DF participem de formação e aperfeiçoamento para que agentes estejam cada vez mais aptos a lidarem em casos de violência contra à mulher.

Um dos objetivos principais do programa é aprimorar o conhecimento e atuação das forças de segurança pública no enfrentamento à violência contra a mulher, além de capacitar de forma contínua os agentes públicos sobre o tema. O Programa Ressignificar é composto pela SSP-DF, Seape-DF, secretarias de Justiça e Cidadania e da Mulher.

“O Programa Ressignificar vai capacitar 100% das nossas forças de segurança com o tema mulheres. Além disso, vai fazer um acolhimento na questão da saúde mental dos nossos servidores, nós sabemos que muitos deles precisam de acompanhamento e muitos já estão em processo para receber essa atenção especializada na saúde mental. Nós sabemos também que este é um crime de gênero que ultrapassa a segurança pública, e nós acreditamos que com este treinamento e capacitação nós teremos as melhores equipes”, destacou a governadora.

O secretário da SSP-DF, Sandro Avelar, comentou que a previsão é que o curso de formação tenha início em março de 2024 e em cinco meses todos os agentes da segurança do DF devem estar capacitados: “O programa significa uma mudança de mentalidade e um aperfeiçoamento da mentalidade de todos aqueles que lidam no dia a dia das suas atribuições com a pauta da violência contra a mulher. O profissional da segurança pública irá se capacitar para ter melhores condições de tratar o assunto nas ocorrências.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE



Fonte: JBR

Fique ligado em tudo o que acontece em Brasília

Cadastra-se para receber atualizações exclusivas, novidades e descontos exclusivos.

Você sabia que o Agita Brasília está no Facebook, Instagram, Telegram, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.