Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net

Com metade da área devastada, cerrado pode desaparecer ainda neste século

A escassez de água é só um dos reflexos desse processo. Em 12 anos, as espécies animais ameaçadas de desaparecer passaram de 75 para 176

O cerrado sempre foi um bioma arredio. Quem quis vida fácil, atrás de riqueza passageira, como o ouro abundante do século 18, deu meia-volta. Quem buscou progresso, insistiu, ficou. Com cal, o solo tornou-se menos ácido e passou a aceitar espécies, até então, estranhas. A terra ganhou gado e lavoura. De uma clareira na mata, as árvores passaram a dividir espaço com o concreto das cidades. De arisco, o bioma ganhou ares generosos. Com trabalho e com uma mudança ali e acolá, o homem fez dele a casa de muitos brasileiros.

Nos últimos 60 anos, o cerrado mudou como nenhum outro bioma brasileiro. Em suas terras, o Brasil expandiu a fronteira agrícola, garantiu a integração nacional e possibilitou a mais monumental façanha arquitetônica brasileira: a construção de Brasília. Mas o que tinha aspecto de simbiose começou a apresentar desgaste. O preço da transformação veio em forma de desequilíbrio. Se as chuvas tinham data para começar e período certo de ação, agora são perseguições diárias dos meteorologistas. Se jorrava água pelas nascentes, os rios e reservatórios estão cada vez mais secos. Se do fogo brotavam espécies, agora elas morrem nas chamas.

O desequilíbrio ambiental começa a fazer parte do cotidiano e passa a ter um custo social e monetário para os moradores do cerrado. A mais drástica crise hídrica da história do Brasil Central é um exemplo. Brasília passa por racionamento e o Descoberto, seu principal reservatório, registrou 5% de volume. Em Cristalina (GO), as outorgas para irrigação foram suspensas e os agricultores tiveram que aprender a gerir o recurso. Em Goiânia (GO), moradores invadiram a caixa d’água da empresa de saneamento para conseguir o líquido. A falta de água também atingiu a geração de energia. O governo acionou as termelétricas, levando os consumidores a pagarem mais caro, por meio da bandeira vermelha.

Mas a conta não para por aí. As chuvas cada vez mais raras e intensas causam destruição quando chegam, como o vivido por Brasília e Abadiânia (GO) há duas semanas. O maior incêndio do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO), mês passado, também foi um alerta do prejuízo da perda de biodiversidade. Para mostrar o cansaço do bioma, o Correio publica a partir de hoje uma série de reportagens sobre a situação e as perspectivas para o cerrado.

Contagem regressiva

Paulo de Araújo/CB/D.A Press
Especialistas calculam que, se a perda de 1,1% da superfície original por ano se mantiver, o bioma deixará de existir na primeira metade deste século. Alguns estudos cravam que o fim será em 2030. Os mais otimistas estimam 2050. De acordo com números do Ministério do Meio Ambiente, a média é de mais de 9 mil quilômetros quadrados de perda da cobertura vegetal por ano. Área correspondente a um território e meio do Distrito Federal. Há uma divergência entre a quantidade de área de cerrado devastada. O governo federal divulga 43,42%. Organizações ambientalistas falam em 50% de perda.

A escalada da destruição provoca uma cadeia negativa. A perda de cobertura vegetal nativa e a consequente modificação no ambiente impactam no ciclo hidrológico, com lençóis freáticos cada vez mais vazios, chuvas mais esparsas e fortes e rios com vazão menor. “Acabando com a savana mais rica do planeta, estamos dando um tiro no pé. Nas cidades, a impermeabilização não deixa mais penetrar água no solo. No campo, o agronegócio consome de 70% a 80% da água do Brasil. A demanda só aumenta. Vai haver um colapso”, alerta Reuber Brandão, professor de Engenharia Florestal da Universidade de Brasília (UnB).

Animais ameaçados

Com o desmatamento, em 12 anos, as espécies animais ameaçadas de extinção passaram de 75 para 176. O mais grave: nesse período, nenhuma conseguiu deixar a lista. Quatro estão categorizadas como criticamente em perigo, sob risco iminente de desaparecerem. Trata-se da borboleta Hyalyris fiammetta, de duas aves — o pararu-espelho e a rolinha-do-planalto — e do rato candango. Exemplares deste foram vistos pela última vez por funcionários da Novacap, durante a construção de Brasília,  na região da Candangolândia e do Zoológico.

Breno Fortes/CB/D.A Press

Na flora, há 310 tipos ameaçados. Das 1.140 plantas que podem ser perdidas, 657 já são consideradas condenadas à extinção, apontam estudos baseados nos dados da organização britânica Lista Vermelha de Espécies em Extinção. A velocidade da destruição maior do que a capacidade de ações públicas e privadas de conservação preocupa especialistas. “O planeta não aguenta do jeito que a gente está indo. Não é só o cerrado. O planeta vai estourar antes e o cerrado vai embora junto”, lamenta José Felipe Ribeiro, pesquisador da Embrapa Cerrados.

PUBLICIDADE

COMENTE

A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Portal Agita Brasília.