Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net

Cuidado redobrado ao nadar no Lago Paranoá: já aconteceram 20 acidentes

No ano passado inteiro, foram 21, com o mesmo número de óbitos. Equipes de salvamento são reforçadas nos fins de semana, quando o público que visita a região é maior

20161204214041105700e[1]O ano ainda não chegou ao fim, mas a quantidade de afogamentos no Lago Paranoá praticamente se iguala ao do ano passado inteiro. Até o momento, foram registrados 20 acidentes do tipo no local — três deles com morte, assim como no ano anterior. Em 2015, dos 60 afogamentos contabilizados no Distrito Federal, 21 ocorreram lá. A expectativa das autoridades é de que, com a chegada do verão, das festas de Natal e das férias escolares, esse número aumente ainda mais.
Os maiores inimigos dos banhistas são o excesso de confiança, a falta de acessórios de salvamento, a ingestão de álcool e a execução de manobras radicais, como saltos de pontes. Esses fatores criam o cenário perfeito para a ocorrência de afogamentos, segundo o Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF). Crianças não acompanhadas nos mergulhos são ainda mais vulneráveis a esse tipo de ocorrência.
Sara Cardoso Ventura, 24 anos, é frequentadora do Lago Paranoá e combate o excesso de confiança com a vigilância. Mãe de gêmeos, ela costuma ir ao Piscinão do Lago Norte, um dos locais considerados críticos pelo Corpo de Bombeiros, e fica de olho nos pequenos. “Eu nem nado aqui, minha atenção fica toda voltada para eles”, relata.

Muitos dos afogados no lago sabem nadar. “O que mais provoca afogamentos é a falta de sensibilidade aos riscos. Normalmente, a pessoa quer atravessar o lago, chegar a algum ponto que ela vê como desafiador, ou ainda quer fazer a travessia após ter ingerido bebidas alcoólicas”, explica o tenente Mendonça, do Grupamento de Busca e Salvamento do Corpo de Bombeiros.

Ele destaca ainda que mesmo os nadadores profissionais,precisam ter preparo para mergulhar em lugares como esses, porque as condições de nado são diferentes. Quem está habituado à prática em piscinas, por exemplo, normalmente tem referências tanto das margens, como do fundo. No entanto, no lago, não é possível definir os limites. Muitas vezes, após nadar uma longa distância, o banhista não consegue chegar ao ponto desejado, voltar, ou se apoiar no fundo. Nessas ocasiões, pode perder o controle emocional e se afogar.


Monitoramento
O Corpo de Bombeiros promoveu pesquisas em setembro e em outubro de 2015 para identificar onde o público é maior e desenvolver trabalho de prevenção a esse tipo de acidente. Com o levantamento, foi possível identificar os pontos críticos em duas das três raias do Lago — centro, norte e sul (veja o quadro). Devido à desocupação na orla do lago, que ocorreu em julho deste ano, a corporação acredita que o número de banhistas e frequentadores tenha aumentado ainda mais.

PUBLICIDADE

COMENTE

A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Portal Agita Brasília.