Jeitinho Brasileiro: Denuncias de indicações no TRE-RJ, as Mazelas da Política Brasileira por debaixo dos panos.

O judiciário brasileiro nos parece um caso perdido, a polemica na politica nacional agora vem do Tribunal Regional Eleitoral do RJ, estado onde sua politica regional esta enfestada de denuncias de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo fontes, a polêmica sorrateira agora é de um possível envolvimento na indicação POLITICA por baixo dos panos, do candidato Raphael Mattos, para vaga de Desembargador do TRE/RJ .

O candidato parece não ser eticamente recomendável para o cargo devido. O advogado tem ou teve contratos e contatos recentes profissionais com algumas partes que são figurões de peso da República, tais como: Sergio Cabral, Eike Batista, Paulo Marinho, Presidente do PSDB/RJ dentre outros. Além disso ainda é investigado na Lava Jato, como foi citado em diversos sites e meios de comunicações.

Mais os figurões não param por aí, na República Fluminense o irmão de Raphael Mattos, Bruno Mattos, é subsecretário estadual no RJ, cujo Governador, Wilson Witzel, é investigado pelo Supremo Tribunal de Justiça – STJ por corrupção e esta um passo de ser impeachmado pela Assembleia do Rio de Janeiro.

Essa falta de ética e imparcialidade nas indicações no judiciário nacional por exemplo, pode decorrer numa vinculação de possíveis tentativas de trocas de favores futuros em novas ações processuais  no TRE-RJ. O mesmo acontecido recentemente nas indicações da  ESQUERDA no governo Lula. Novamente uma possível tentativa de aparelhar o sistema judiciário com nomes e peças chaves em indicações se repete, como foi feito nas indicações no Supremo Tribunal Federal – STF, Procuradoria Geral da Republica – PGR e também o caso mais recente o do Tribunal de Justiça de Goias – TJ/GO.

Hoje, vemos que essa política de cobras não está somente nos casos de tráfico de animais silvestres internacionais em Brasília, mas também rastejando sorrateiramente cada vez mais para dentro dos  tribunais de justiça pelo Brasil, tentando infestar nosso ultimo recurso de IMPARCIALIDADE como guardião das Leis.

Ai nos vemos obrigados nos perguntar:

Como o sistema judiciário brasileiro, guardião das Leis do Brasil terá isenção para votar com imparcialidade os processos em suas esferas?

Será que o Presidente da República a quem cabe escolher o nome na lista tríplice vai aceitar isso?

Mais uma vez colocamos em cheque a ETICA e a IMPARCIALIDADE nos poderes da Republica.