Download Free FREE High-quality Joomla! Designs • Premium Joomla 3 Templates BIGtheme.net

Na Câmara Legislativa, deputado Claudio Abrantes cobra segurança pública no DF

claudio-abrantes[1]Distritais que ocuparam a tribuna da Câmara Legislativa voltaram a manifestar solidariedade aos policiais civis, que estão em greve reivindicando equiparação salarial com a Polícia Federal e também melhores condições de trabalho. Representantes da categoria acompanharam, das galerias, as cobranças dos parlamentares e aplaudiram as críticas mais contundentes – como a discussão de uma obstrução de votações, enquanto o governador não resolver a questão.

“Na reunião de líderes foi dito que não adianta estarmos sempre nos reunindo com o governador Rollemberg, pois o que precisamos agora é de uma solução por parte do governo. Chega de conversa fiada. A Câmara Legislativa precisa agir também em apoio aos policiais civis”, enfatizou, por exemplo, o distrital Wellington Luiz (PMDB).

Também outro representante dos policiais civis na Câmara Legislativa, o distrital Cláudio Abrantes (Rede), propôs uma reação mais efetiva do legislativo em apoio à luta

“não apenas em defesa de melhores salários, mas de uma segurança melhor para a sociedade”.

Ele ressaltou que, ao contrário do que acontece nas áreas de saúde e educação, as pessoas com melhor renda não conseguem pagar para ter uma segurança pessoal e familiar eficaz, sem contar com o efetivo da Polícia Civil.

O líder do PT, deputado Wasny de Roure, pregou que a questão orçamentária seja resolvida com urgência governo, em favor da sociedade.

“Se fosse apenas questão de números, em vez de governador, poderíamos ter em seu lugar um contador geral”, criticou.

“O maior problema é de gestão”, apontou o deputado Joe Valle (PDT).

Na mesma linha, Raimundo Ribeiro (PPS) disse que o governador já sabia que iria administrar o DF com poucos recursos.

“Se ele não dá conta de governar sem dinheiro que deixe o cargo!”

 

PUBLICIDADE

COMENTE

A responsabilidade do comentário é do autor da mensagem e não representa a opinião do Portal Agita Brasília.