Pesquisar
Close this search box.

Passageiros reclamam de terminal rodoviário provisório de Taguatinga

Segundo a Semob, nos último dois anos, foram investidos mais de R$ 150 mil


Segundo a Semob, nos último dois anos, foram investidos mais de R$ 150 mil para a manutenção do local

Desde 2013, a Rodoviária de Taguatinga, localizada na Avenida Elmo Serejo, opera de modo provisório, com estrutura precária. Ainda assim, segundo a Secretaria de Transporte e mobilidade (Semob), nos últimos dois anos foram investidos cerca de R$ 150 mil visando manter a operação e adequar a estrutura às necessidades do terminal. Segundo a Semob, por dia passam 12 mil pessoas, em média, pela rodoviária.

Para Elisângela Alves Araújo Andrade, de 39 anos, servente de pedreiro, a rodoviária está uma bagunça. Ela veio do interior do Goiás, para passar alguns dias na casa da tia e desembarcou no terminal provisório. “Aqui tem um cheirinho meio forte de urina. Mas, no mais, o pessoal daqui é super gentil com a gente”, comentou.

Além do cheiro que desagradável, Elisângela considera a falta de locais para sentar. O ônibus da viagem de volta dela era as 18h, mas ela teve que chegar mais cedo e ficou esperando em pé com as malas, já que o local estava lotado. “Fica cansativo. Aqui a situação é bem mais precária em comparação com outras rodoviárias”.

Cleonice Domingues Pereira, de 52 anos, atualmente desempregada, mora em Goiânia, mas é apaixonada por Brasília e sempre visita a capital. “Sempre venho aqui. Agora vai fazer quase um mês que eu estou aqui, e minha filha estava aqui comigo passando as férias”. Ela é otimista quanto ao terminal e aponta que ainda tem muita coisa a melhorar, mas tem certos pontos que estão bons. “Do ano passado para cá, por exemplo, nem se compara o tanto que já melhorou”.

Cleonice, que sempre desembarca no terminal quando vem a Brasília, pontua que a segurança precisa de prioridade no local. Ela já tem planejada a volta para Brasília, para o mês de julho e espera encontrar a rodoviária ainda melhor.

Thayrine Pereira dos Santos, de 27 anos, recepcionista, estava no terminal de ônibus para esperar a mãe que ia chegar de Águas Lindas (GO) para partir de viagem. “Eu confesso que eu não gosto muito daqui. Acho que tudo está bagunçado”. Para ela, falta organização e segurança. “Aqui tem muitos usuários de droga. Não é igual a da Asa Sul, por exemplo”. A recepcionista acredita que o espaço tinha que ser melhor, para receber a quantidade de usuários que frequentam a rodoviária. “Do tempo que eu conheço essa rodoviária, ela está a mesma coisa”.

A técnica de enfermagem Maria Luiza Souza, de 29 anos, está vindo de Teresina (PI) e, acompanhada da família, conta que sempre desembarcam no terminal. “Porque é mais perto de onde a gente mora”. Ela já está acostumada com o local e a questão de segurança não a incomoda. “A gente não tem medo, porque a gente já é daqui”. Ela acha, inclusive, que a Rodoviária interestadual de Brasília seja mais perigosa do que a de Taguatinga. “Pelo menos a parte de fora”. Mas a questão estrutural da rodoviária, ela reconhece que precisa melhorar. “Aqui precisava de umas melhorias”.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em nota, a Secretaria de Transporte e Mobilidade informou que somente duas linhas do Sistema de Transporte Público Coletivo partem do Terminal Rodoviário de Taguatinga: a 206.1, que vai para o Gama, e a 207.3, que vai para o Engenho das Lages. Segundo informações da pasta, o terminal também atende linhas do semiurbano (linhas do entorno) e do transporte interestadual.

A Semob ainda acrescentou que, com os investimentos feitos nos últimos anos, foram feitas nova pintura, expansão e reforma da cobertura, revitalização dos banheiros, manutenção na rede de esgoto, instalação de novas luminárias, e implantação de piso tátil.

Segurança

A rodoviária conta com estandes de vendas de passagens, e ainda com bancas de comércio de produtos e lanchonetes. Um dos comerciantes que trabalham no estabelecimento, que prefere não ser identificado, acredita que na parte da segurança, o terminal apresenta falhas, já que a Administração de Taguatinga não consegue colocar policiamento no local. “Não sei qual o motivo. Eles dizem que não tem esse tanto de ocorrência registrada”, conclui.

Mas o vendedor acredita que furtos e roubos que acontecem na estação, seja geralmente com passageiro. “O passageiro não vai até a delegacia para dar queixa e perder uma passagem de R$500, R$600 reais, por causa do celular, ou por causa de R$20, R$30 reais”. O empreendedor conta que a administração teria solicitado diversas vezes a Polícia Militar a intensificação do policiamento no local, mas que a corporação sempre afirma que não existe um grande volume de ocorrências que justifique a presença de mais policiais. “O que, segundo eles, é preciso para poder colocar policiamento”.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mas fora a segurança, ele não enxerga outra coisa que seja tão ruim na rodoviária. “A Estrutura eles não vão construir outra, porque está boa, tudo conservado”.

Para manter a banca na rodoviária, o comerciante conta que paga uma taxa simbólica. “É simples, é simbólico, a taxa é por metro quadrado, aqui é R$ 300, por aí. Quem tem um ponto maior paga mais, é quem tem um ponto menor paga menos”. Para ele, é um preço justo a se pagar para poder ter a banca ali.



Fonte: JBR

Fique ligado em tudo o que acontece em Brasília

Cadastra-se para receber atualizações exclusivas, novidades e descontos exclusivos.

Você sabia que o Agita Brasília está no Facebook, Instagram, Telegram, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.