Santos: jogadores profissionalizados que chegaram à Europa são minoria

Santos: jogadores profissionalizados que chegaram à Europa são minoria

Menos de um terço dos jogadores revelados pelo Santos entre os anos de 2008 e 2012, até os seus terceiros destinos fora do clube, chegaram a viver alguma experiência no futebol europeu.

Essa é apenas uma das várias constatações possíveis de serem feitas ao buscar os jogadores profissionalizados pelo alvinegro praiano no período mais rico de seu folclore no século 21: ao todo, foram 33 revelações.

Leia mais sobre esportes

A virada da primeira para a segunda década dos anos 2000 é reconhecida, para muitos santistas, não só como o momento de maior glória da história recente do clube, mas também como um dos maiores de toda a sua história, também pela virtuosidade de seus jogadores e pelo futebol jogado à época.

Os anos de 2011 e 2012 marcaram o período de destaque maior, época em que o time era apelidado como “Santástico”, em que alguns de seus atletas já haviam alcançado certo nível de maturidade e experiência, como é o caso de Neymar, por exemplo.

Nesse momento, o Santos se colocava na prateleira de melhor equipe do país.

Jogadores do Santos reunidos antes de partida pela Libertadores, em 2011;
 Foto: captura de tela da conta do Instagram ‘Santista da Baixada’. 

 

Assim como muitos torcedores santistas e o próprio clube costuma dizer publicamente, “um raio cai mais de uma vez no mesmo lugar”, e, de fato, durante os quatro anos citados, a história não foi diferente. Além de ter lançado ao mundo do futebol promessas como Paulo Henrique Ganso (2008), Rafael Cabral (2010), Felipe Anderson (2010) e Neymar Júnior (2009), que, subsequentemente, seriam importantíssimos para as conquistas do time, o Santos ganhou quase tudo o que disputou neste quadriênio.   

Foram três campeonatos paulistas (2010, 2011 e 2012), 1 Copa do Brasil (2010), 1 Libertadores (2011) e 1 Recopa Sul-Americana (2012), além do vice-campeonato mundial (2012) e da campanha semifinalista da Libertadores (2012). Outro feito que merece destaque é a agremiação de Neymar ao seleto grupo de jogadores que já foram eleitos como ‘Rei da América’ por duas vezes seguidas, prêmio que é dado ao melhor jogador da América Latina no ano. Além do próprio, apenas outros dois jogadores conseguiram o feito. 

No entanto, ao observar todos os 33 jogadores revelados pelo clube neste período tão vencedor, um detalhe chama a atenção: apenas 13 deles alcançaram o futebol europeu. Quando se fala de um período tão importante de um clube tão grande e possuidor de uma tradicionalíssima escola formadora de jogadores, é esperado que boa parte dos jogadores profissionalizados durante este momento tenham alcançado altos patamares.

 Afinal, o elevado nível técnico e a forte movimentação de receitas fazem dos campeonatos europeus os destinos mais desejados de um jogador de futebol, e, por conta de tanta tradição, imagina-se que estes jogadores tenham condições de chegar lá, pelo menos a maioria deles. Porém, não foi essa a realidade. 

Vendidos para clubes de diferentes regiões, a maioria dos jogadores revelados pelo Santos entre 2008 e 2012 fizeram suas carreiras, até os seus terceiros destinos para fora do Santos, em território nacional, sendo a primeira divisão do campeonato brasileiro o mais alto nível alcançado por alguns. No conjunto dos demais, mesmo que inicialmente apenas por empréstimo, como são os casos de Emerson Palmieri (2012) e Alemão (2008), por exemplo, puderam ter a oportunidade de jogar em um clube europeu. 

Jogadores de diversas posições, os 13 foram vendidos para diferentes países europeus, como Itália, Ucrânia, Espanha e Portugal, sendo alguns deles, inclusive, atletas conhecidos. Ganso, Alemão, Alan Patrick, André “Balada”, Neymar, Rafael Cabral, Felipe Anderson, Emerson Palmieri, Breitner, Victor Andrade, Leandrinho, Anderson Carvalho e Gustavo Henrique, todos passaram, no mínimo, seis meses trabalhando no futebol europeu até os seus terceiros destinos em outras direções. Alguns, inclusive, como Neymar, Felipe Anderson, Emerson Palmieri e Gustavo Henrique, estão na Europa até hoje, e consolidaram uma carreira internacional.  

Se quiser ter acesso à planilha com o levantamento dos 33 jogadores revelados pelo Santos entre os anos de 2008 e 2012 até os seus terceiros destinos seguintes à profissionalização, clique aqui.  

Número de jogadores que permaneceram no Brasil e os que foram contratados por times europeus  

 Dos 13, apenas 3 ainda se mantêm na Europa até o ano de 2022

Por carregar consigo toda essa grife e exigência por um nível técnico tão alto, o futebol europeu logo dá as caras: acolhe apenas os melhores e mais bem preparados. 

Por isso, torna-se evidente que apenas os  jogadores do mais alto escalão do futebol seriam capazes, por conseguinte, de serem selecionados, ano após ano, por seus treinadores e entendidos como capazes o suficiente para se manterem em um meio de exigência tão alta. Por conseguinte, diversos filtros acabam sendo aplicados, como a idade e até a adaptação ao time e à vida no exterior. 

Ao analisar e pesquisar sobre os 13 jogadores revelados pelo clube paulista Santos entre os anos de 2008 e 2012 que, até os seus terceiros destinos para longe de seu time formador, chegaram a vivenciar alguma experiência no futebol europeu, é possível concluir de que, por mais que todos tenham, de fato, alcançado o mais alto nível do futebol mundial, apenas três deles foram capazes de pisar em solo europeu, e de lá, não voltar mais. Quer dizer, apenas três dos 13 se mantiveram, durante a maior parte de suas carreiras, no mais alto nível do futebol. 

No entanto, até como certa forma de desconto para os outros 10, os três que permanecem não se tratam de atletas quaisquer. Revelados pelo Santos nos anos de 2009, 2010 e 2012, Neymar, Felipe Anderson e Emerson Palmieri, respectivamente, não só partiram para a Europa sem passagem de volta, mas se firmaram em grandes clubes de diferentes países europeus, protagonizando importantes papéis em suas respectivos times. 

Emerson Palmieri, vendido em 2015 para a Roma, se firmou na Itália antes de passar por Chelsea e West Ham, ambos da Inglaterra. A identificação com a Terra da Bota foi tão grande que, após receber o convite, aceitou defender a seleção italiana, o que faz desde 2018. Felipe Anderson, vendido em 2013 para a Lazio, da Itália, e que ainda rodou por West Ham e Porto antes de voltar ao clube italiano, está na Europa há quase 10 anos, já tendo entrado em campo em mais de 320 oportunidades durante todo esse tempo. 

Neymar, por sua vez, dispensa apresentações. Detentor de diversos recordes e conquistas, o ex-camisa onze santista encantou o mundo com seu futebol e com as suas passagens por Barcelona e Paris Saint-Germain. Ao todo, foram 220 gols em mais de 350 partidas no velho continente. 

Para visualizar as trajetórias destes três jogadores, basta clicar aqui para acessar a mesma planilha. 

Como foi feita esta matéria?

A ideia para a realização desta matéria no âmbito do jornalismo de dados partiu da curiosidade em pesquisar um pouco mais sobre os jogadores do Santos revelados em um período tão importante, assim como alguns de seus destinos seguintes.

A partir daí, alguns dados de todos os jogadores profissionalizados durante o período de tempo escolhido foram inseridos em uma planilha, ofertada pela planilha da plataforma Google, com coleta de dados nas diversas fontes, como os sites Wikipedia e OGol, por exemplo, que dispõe de todos os destinos destes jogadores até as suas terceiras vendas para longe do Santos.

Para complementar a sustentação dos argumentos apresentados, foi ainda utilizada, mais uma vez, a própria plataforma do Google para a construção do gráfico, através do Google Documents, e do Google Sheets. Os fatos e dados foram retirados de diferentes sites e aplicativos, como o Acervo Santista, e o aplicativo Fotmob.

Por Gabriel Botelho

Com supervisão de Mônica Prado

O post <strong>Santos: jogadores profissionalizados que chegaram à Europa são minoria</strong> apareceu primeiro em Agência de Notícias CEUB.

Generated by Feedzy