Pesquisar
Close this search box.

SESI Lab está cada vez mais acessível

Espaço lançou duas modalidades de visitas acessíveis, com entrada gratuita e edições em todo


Espaço lançou duas modalidades de visitas acessíveis, com entrada gratuita e edições em todo primeiro domingo do mês

Criado com o propósito de ser um museu de arte, ciência e tecnologia para atender a todas as diversidades de públicos, o SESI Lab tem a missão de romper barreiras físicas, culturais, atitudinais e comunicacionais por meio da acessibilidade. Para marcar o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência, data instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992, o museu 100% interativo lançou, no último domingo (3), visitas acessíveis para atender pessoas com espectro autista, neurodivergentes e a comunidade surda. Tudo com entrada gratuita e sempre no primeiro domingo de cada mês.

“Nosso espaço nasceu com um planejamento estratégico para os primeiros anos de operação e, dentro dele, há o programa de acessibilidade. Sempre quisemos torná-lo acessível e inclusivo para diferentes públicos, pensando nisso de forma ampla, ou seja, não apenas na questão física, mas também na atitudinal e comunicacional”, explica Agnes Mileris, gerente de Programação Cultural do SESI. O local completou um ano de funcionamento no último dia 30 de novembro. As duas novas ações foram desenvolvidas pelas equipes de educação e de exposições e integram uma lista extensa de adaptações já existentes no SESI Lab desde a inauguração.

Foto: Divulgação

A proposta, que como salienta Agnes, foi pensada no início do segundo semestre, contou com o trabalho de inúmeros colaboradores que compõe a equipe operacional do espaço e que possuem alguma deficiência. “Nossa equipe pontuou coisas que poderíamos implantar como parte do programa de acessibilidade a partir de suas experiências no ambiente e por de fato conseguire perceber as demandas e ajustes necessários”, esclarece a gerente.

A partir de dezembro e com edições mensais, as visitas para comunidade neurodiversa e do Transtorno do Espectro Autista (TEA) serão realizadas duas horas antes do funcionamento rotineiro, para garantir a inclusão independentemente de habilidades físicas, sensoriais ou cognitivas. Além do acolhimento logo na entrada do museu, com educadores e orientadores de públicos capacitados, as visitas espontâneas contarão com ajustes sonoros e visuais, como o desligamento do painel de LED e adequações em aparatos interativos. “Todo o espaço, por si só, já é acessível fisicamente, mas além disso, instalamos recursos novos como audiodescrição dos aparatos, video libras e mapas táteis da exposição. O local sempre foi muito sensorial, então quem tem sensibilidade a certos sons e iluminação poderia ter uma experiência não tão agradável”, explica Agnes.

Serão oferecidas visitas em Libras, com sessões às 11h e às 15h do mesmo dia, e desenvolvidas atividades com uso de dispositivos de acessibilidade – como brinquedos sensoriais, fones com abafador de ruído e coberta ponderada -, disponibilizados em um carrinho customizado para recursos de acessibilidade.

Intitulado “Diálogos Acessíveis, o programa compreende a uma série de ações que buscam ampliar e melhorar o atendimento do museu levando em conta as premissas legais estabelecidas pelas políticas públicas nacionais. Além das visitas acessíveis, foram desenvolvidas formações continuadas com as equipes com aprofundamento em diferentes tipos de deficiência.

Como explica a gerente, desde novembro do ano passado, foram realizadas quatro formações para os funcionários do SESI Lab, com mais de 380 participantes e que contemplaram temas como: Acessibilidade cultural, barreiras atitudinais, afasia e tetraplegia. A última edição de 2023 será em 12 de dezembro com a temática paralisia cerebral. “Quando a gente promove ações para diversos grupos, incluindo as pessoas com deficiência, não é apenas para impactar essa parcela da população, mas toda sociedade. E para mostrar a importância da diversidade e da equidade nos espaços museológicos e em centros de ciências”, ressalta Gabriela Reznik, analista integrante da coordenação de Ações Educativas do SESI Lab.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Coleção do Programa de acessibilidade

No Acervo Digital do SESI Lab foi lançada a coleção do Programa de acessibilidade, com materiais utilizados para as ações de acessibilidade do museu, disponibilizando os audioguias e os videolibras da exposição de longa duração. Por meio da leitura de QR Codes, os visitantes podem usufruir dos recursos de maneira online e totalmente gratuita. Nesta primeira fase de implantação, mais de 20 videolibras já estão disponíveis no Acervo Digital, bem como os 30 audioguias.

Ações de acessibilidade já disponíveis no SESI Lab

Piso podotátil no entorno do edifício e na parte interna na indicação da localização dos banheiros e elevadores, assim como acessos adaptados a pessoas em cadeira de rodas;

Fraldários e banheiros adaptados e com sinalização universal;

Empréstimo de cadeira de rodas para visitantes que necessitarem;


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Parte dos mobiliários adaptados para pessoas com deficiência física e mobilidade reduzida, inclusive nos espaços expositivos;

Maquetes táteis e plantas elevadas que permitem reconhecer a construção arquitetônica do edifício e seu entorno, bem como os espaços expositivos do SESI Lab;

Legendas e textos de orientação em Braille e com caracteres ampliados em determinados aparatos;

Audiodescrição e videolibras em aparatos nas exposições de longa duração, disponibilizados em QR Code;


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Coleção do Programa de acessibilidade no Acervo Digital SESI Lab;

Visitas mediadas para público em Libras;

Abertura matinal do SESI Lab para pessoas neurodiversas e no espectro do transtorno autista;


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Contratação de colaboradores com deficiência para a equipe educativa e demais setores da instituição, para cumprimento da Lei de Cotas para pessoas com deficiência;


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Atualização sobre temas diversos relacionados à acessibilidade e direitos das pessoas com deficiência para equipe do SESI Lab;

Participação dos colaboradores com deficiência na criação de novos programas, projetos e adequações de acessibilidade;

Atividades de formação de público de pessoas com deficiência em parceria com escolas e instituições do DF;

Formação continuada sobre temas diversos relacionados à acessibilidade e inclusão de pessoas com deficiência para equipe do SESI Lab.



Fonte: JBR

Fique ligado em tudo o que acontece em Brasília

Cadastra-se para receber atualizações exclusivas, novidades e descontos exclusivos.

Você sabia que o Agita Brasília está no Facebook, Instagram, Telegram, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.