Pesquisar
Close this search box.

Cartaz sobre abelhas do Cerrado é novo produto de educação ambiental

A coleção Eu Amo o Cerrado, ferramenta de educação ambiental do Instituto Brasília Ambiental,

A coleção Eu Amo o Cerrado, ferramenta de educação ambiental do Instituto Brasília Ambiental, está com um novo produto: o cartaz Abelhas Indígenas sem Ferrão do Cerrado. O lançamento da versão virtual e impressa da peça ocorrerá nesta terça-feira (3), Dia da Abelha, às 10h30, na entrada da sede do instituto, localizado na SEPN 511, Bloco C, Edifício Bittar. O evento contará com exposição temática e degustação de mel.

Desde 2012 0 Brasília Ambiental produz, por meio de sua Unidade de Educação Ambiental (Educ), a coleção Eu Amo Cerrado, que tem como foco a divulgação da biodiversidade do bioma. “Começamos com as aves e, com o passar do tempo, aumentamos não só com a distribuição e inserção nas escolas e centros de educação ambiental, mas também os conteúdos. Hoje contamos com cartazes também de mamíferos, frutos, peixes, flores, anfíbios… E, agora, vamos lançar o cartaz das abelhas. É um projeto de muito sucesso”, ressalta Marcus Paredes, chefe da Educ do Brasília Ambiental.

As abelhas indígenas sem ferrão do Cerrado são do gênero Meliponini. “É um gênero que está em alta, no que se refere à sua preservação. Tem grande importância ecológica e econômica”, afirma Paredes.

Historicamente, muitas dessas abelhas sofreram uma exploração predatória por meleiros, com a retirada do mel sem o manejo correto, destruindo colônias na natureza, o que contribuiu para a diminuição das populações em algumas regiões. Algumas delas produzem mel de altíssimo valor gastronômico, que pode variar muito em textura e sabor de acordo com a espécie e ser uma boa fonte de recursos para os produtores.

Eu Amo o Cerrado

Fique ligado em tudo o que acontece em Brasília

Cadastra-se para receber atualizações exclusivas, novidades e descontos exclusivos.

Você sabia que o Agita Brasília está no Facebook, Instagram, Telegram, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.